Dólar hoje 4,142
32ºC em Arapiraca, Parcialmente nublado
Justiça
Postada em 29/07/2019 13:15 | Por Assessoria-TJ/AL
Judiciário inicia curso de formação de conciliadores em Arapiraca
Presidente Tutmés Airan participou da abertura do evento: ‘Quando a gente faz um curso desse, a gente planta a semente da boa solução do conflito’
Presidente Tutmés Airan participou da abertura do treinamento - Foto: Assessoria - TJ/AL

O Poder Judiciário de Alagoas deu início ao curso de Capacitação, Formação e Aperfeiçoamento de Mediadores e Conciliadores Judiciais em Arapiraca. Trata-se da parte teórica do treinamento, que já foi realizada em Maceió e Palmeira dos Índios, este mês.

O presidente do Tribunal de Justiça, Tutmés Airan, participou da abertura do evento. “Quando a gente faz um curso desse, a gente planta a semente da boa solução do conflito. Uma solução rápida, negociada e portanto muito mais eficaz, porque ao invés de ser imposta, é construída pelas partes”, comentou o desembargador.

Para o presidente, essa é a saída para o alto nível de judicialização vivido pela sociedade. “Ou você percorre caminhos alternativos, ou o Poder Judiciário não vai poder dar a resposta que a população espera dele, dado a quantidade de processos e conflitos”.

Conduzido pela Escola Superior da Magistratura de Alagoas (Esmal), o curso contou com o juiz André Gêda como professor, em Arapiraca. Ele explicou que a parte teórica tem a duração de uma semana e depois os alunos serão submetidos à parte prática, atuando nos Centros Judiciários de Solução de Conflito e Cidadania (Cejuscs).

“A cultura de pacificação tende a ser estendida a todo o estado, pois esse é um dos grandes objetivos do desembargador Tutmés Airan”, disse André Gêda.

A abertura do curso teve a presença do prefeito de Arapiraca, Rogério Teófilo.

Sobre o curso

A Esmal é a única instituição de Alagoas reconhecida para oferecer cursos de mediação judicial. A habilitação é atribuída pela Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam) e é uma garantia de que são cumpridos requisitos como idoneidade, qualificação técnica e pedagógica para oferecer capacitações dessa natureza.

Assim, fica assegurado que egressos das escolas reconhecidas poderão ser aproveitados pelos tribunais de justiça estaduais na composição de seus cadastros de profissionais.

Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
*Marque Não sou um robô para enviar.
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.