Dólar hoje 5,643
23ºC em Arapiraca, AL Tempo limpo
André Avlis

Sobre o autor

Radialista, natural de Maceió, cresceu em Arapiraca e trabalhou nas rádios, Cidade, A Voz do povo é a voz de Deus, Metropolitana FM, Novo Nordeste, Nova FM e atualmente trabalha na Pajuçara FM.
Postada em 26/02/2021 07:36 | Atualizada em 26/02/2021 07:37
BRASILEIRÃO: Mesmo não sendo brilhante, Flamengo é campeão por méritos
Inter não consegue vencer o Corinthians no Beira-Rio e mesmo perdendo para o São Paulo, no Morumbi, rubro-negro é campeão brasileiro 2020.

Dramático, sofrido, angustiante, difícil. Assim foi a edição do Campeonato Brasileiro 2020 - que de tão louco, foi decidido em 2021.

Um campeão que só chegou à liderança na rodada 37. Outros postulantes ao título que não souberam agarrar a oportunidade. Uma trama com um roteiro totalmente incerto, onde tudo podia acontecer - e aconteceu.

O Flamengo não foi o mesmo de 2019 - também pudera. Num ano atípico, várias situações aconteceram. Parada por conta da pandemia, mudança de técnicos, surto da Covid-19, lesões, convocações etc. Ou seja, foi um ano totalmente diferente.

No início do campeonato, a expectativa de repetir o que foi feito no ano anterior. Porém, o primeiro baque: o cérebro da engrenagem fora embora. Logo depois, uma aposta que não deu certo - talvez pela falta de paciência. E por fim, um jovem técnico contestado do início ao fim de seu trabalho - até mesmo levantando o troféu.

A inquietude de não alcançar um rendimento linear foi notória - sobretudo do início para o meio do campeonato. O time não conseguia ser constante, muito menos brilhante. Entre erros e falhas; coletivas e individuais. Boas e péssimas atuações.

Em meio a tudo isso, o técnico Rogério Ceni buscando incessantemente - para não dizer desesperadamente - um padrão de jogo. Foram várias tentativas. Várias frustradas e incompreendidas. No entanto, algo que chamou a atenção: ele não mudou ou fugiu de sua ideia de jogo. Lógico, fez alguns ajustes aqui, uma mudança ali - e foi a partir daí que tudo mudou.

Ceni teve a percepção de deslocar jogadores para outras funções - Diego e William Arão, por exemplo. A ideia, em meu ver, foi: quanto mais tivermos a bola, menos vamos sofrer. Foi assim também quando as linhas de defesa foram adiantadas, para que o 'perde pressiona' funcionasse corretamente.

Outros pontos importantes podem ser ressaltados nessa mudança de postura, que deu a possibilidade da arrancada para o título.

O Flamengo se tornou um time com muitas variações táticas. Ora jogava num determinado esquema, ora em outro - tudo isso dentro das partidas. Com as mudanças, se transformou num time ainda mais técnico, ofensivo, incisivo e agudo - sobretudo na parte de criação e execução de jogadas. Tipo aquela parada de que "a melhor defesa é o ataque".

Dentro de campo, foi um título indubitável - mesmo não tendo o brilhantismo que era esperado. Pela reação, evolução, transformação e demonstração de melhor futebol. Deixando de lado tudo de "maluco" que aconteceu no ano e no campeonato, o título ficou com o melhor time.

Já em outras partes, prefiro não comentar - por achar melhor o que é feito em campo. E por méritos, o troféu está com quem fez por onde.

O site Todo Segundo não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.
Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
*Marque Não sou um robô para enviar.
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.


Postagens Anteriores123456Próximas Postagens