Dólar hoje 5,358
30ºC em Arapiraca, AL Tempo nublado
André Avlis

Sobre o autor

Radialista, natural de Maceió, cresceu em Arapiraca e trabalhou nas rádios, Cidade, A Voz do povo é a voz de Deus, Metropolitana FM, Novo Nordeste, Nova FM e atualmente trabalha na Pajuçara FM.
Postada em 13/01/2021 07:35
LIBERTADORES: Palmeiras é totalmente dominado pelo River, mas consegue chegar à final
Argentinos fazem 2 a 0, tem um gol e um pênalti anulado pelo VAR, mas não conseguem tirar a vantagem palmeirense.
Jogadores palmeirenses em momento de alívio, após o apito final.

 O pessimismo natural do palmeirense pareceu presságio - ou só confirmação.

Uma vantagem ampla e um jogo impecável na última terça-feira (5), davam a esperança necessária para que a decisão no Allianz Parque fosse sem fortes emoções. Apenas davam, porque na prática foi totalmente diferente.

O óbvio aconteceu - na parte do River Plate. Marcelo Gallardo modificou seu esquema e estrutura tática para que o time tivesse mais amplitude, ou seja, abrir mais seus laterais e pontas. Com um 3-5-2 nada convencional, os 'Millionarios' conseguiram tem amplo domínio da partida.

A proposta de jogo foi eficiente a todo momento. Com os laterais e pontas abertos, o time argentino tinha a possibilidade da inversão de bola rápida, já que teve a bola na maior parte do tempo. As linhas adiantadas e os três defensores bem postados faziam com que o Palmeiras não tivesse êxito em seus contragolpes - a não ser em um gol perdido por Rony, nos primeiros minutos da partida.

Pressionado, o Verdão não conseguia jogar até que aos 28 minutos do primeiro tempo, numa bola parada, veio o primeiro gol do River. A pressão continuou e aos 43, também do primeiro tempo, veio o segundo.

Na segunda etapa, mais River - e menos Palmeiras. As linhas baixas e a falta de calma fizeram o time brasileiro ficar muito frágil. Foi aí que o "teste para cardíaco" começou. Sobretudo quando o VAR entrou em ação para anular um gol e rever um pênalti marcado. Ambos invalidados de forma correta.

O time argentino foi amplamente superior. Nos aspectos tático e técnico; posse de bola, intensidade, volume de jogo e chances criadas. O nó tático desta vez foi dado por Marcelo Gallardo - diferente do primeiro jogo. No entanto, em algumas mudanças para se defender - principalmente quando tinha um homem a mais - Abel Ferreira foi feliz.

Foi, sem dúvidas, com todo o paradoxo, uma doce e histórica derrota. Confirmando o pessimismo peculiar de todo o palmeirense. Para selar a ida para a final - algo que não acontecia desde 2000.

Por fim, se o Palmeiras quiser mesmo o segundo título da Libertadores, tem que esquecer o horroroso  e pífio desempenho do jogo de ontem. Para que no dia 30 de janeiro, no Maracanã, sua torcida mão "quase morra do coração".

O site Todo Segundo não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.
Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
*Marque Não sou um robô para enviar.
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.