Dólar hoje 3,743
23ºC em Arapiraca, Alguns chuviscos
André Avlis

Sobre o autor

Radialista, natural de Maceió, cresceu em Arapiraca e trabalhou nas rádios, Cidade, A Voz do povo é a voz de Deus, Metropolitana FM, Novo Nordeste, Nova FM e atualmente trabalha na Pajuçara FM.
Postada em 12/07/2019 08:17 | Atualizada em 12/07/2019 09:26
ALAGOAS: A pobre e decadente 2ª Divisão do futebol alagoano
FAF divulgou que seis equipes participarão do Campeonato Alagoano da 2ª Divisão (Sub-23), que terá início dia 14 de Setembro. São elas: CSE, Penedense, FF Sports Viçosense, Miguelense, Sete de Setembro e Zumbi.

A pobre Segunda Divisão do futebol alagoano. E de piedade.

Se na Primeira Divisão, o nível técnico e de investimento já não são os ideais, na divisão inferior o cenário é pior ainda.

Um regulamento ruim, pouco tempo de trabalho e nada atrativo. O torneio tem data prevista para ter início no dia 14 de Setembro e encerramento dia 27 de Outubro. Um sistema de disputa em que todos jogam contra todos e os dois primeiros classificados já fazem a final. O campeão, logicamente, garante vaga para a "elite" (entre aspas mesmo) do futebol alagoano. Uma novidade é sobre a arbitragem, que será custeada pela Federação.

Quando o atual Presidente da Federação, Felipe Omena Feijó, assumiu em 2015 e com 23 anos (se tornando o mais jovem a assumir o cargo), o discurso era de renovação. Inovação. Novas ideias e conceitos. No entanto, de lá para cá, não mudou muita coisa.

Uma divisão de acesso que não oferece atrativo. Condições ruins para os clubes, alguns inclusive, ficaram vários anos inativos. Pouco mais de um mês de competição, sistema de disputa ruim e consequentemente, nível baixo. Se é que tem como baixar.

Na "elite", favorecimento para os da capital. Tudo é feito para o bem de CSA e CRB, como uma mãe que cuida de seus filhos. Aí eu pergunto: e o resto da "galera"?

Se numa primeira divisão já não é lá essas coisas, imagine a segunda. Algo poderia ser feito para melhorar isso. É só haver interesse para tal. Primeiro, um sistema de disputa atraente, para que os clubes pudessem investir e saber que jogarão por algo interessante. Mudança no calendário. Uma extensão de datas, sistemas de disputa diferente. Ou até mesmo outro torneio separado, que valesse vaga para uma Série D ou Copa do Brasil. Ideias que despertassem interesse.

É algo fácil? Não, lógico que não. Mas vai da vontade da Federação, clubes e investidores.

Fazendo isso ou tentando fazer, consequentemente o nível do nosso futebol melhoraria. Entre outros fatores e importantes fatores. Profissionais não ficariam tanto tempo sem trabalhar (do jogador, a tia da cozinha); as cidades com representantes também seriam beneficiadas, pelo movimento, entretenimento e também na economia. Ou seja, mudar os conceitos e tendo a inovação que foi citada no passado, a parada seria diferente.

Portanto, enquanto não acontecer mudanças a decadência continuará. Essa "várzea" continuará, a pobreza vai perdurar. E nós continuaremos a ver esse péssimo nível do nosso futebol. Tanto na "elite", quanto na inferioridade. Inferior, literalmente.

O site Todo Segundo não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.
Comentários

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
*Marque Não sou um robô para enviar.
Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.