Dólar hoje 4,148
21ºC em Arapiraca, Tempo nublado
Valdenice Guimarães

Sobre o autor

Valdenice Barboza Guimarães; Historiadora Psicóloga Clínica Comportamental. Membro fundadora do Instituto de Análise do Comportamento – IAC. Pós-graduada em Teorias e Técnicas Comportamentais: Educação, Pesquisa e Terapia.
Postada em 13/06/2019 16:39
SERÁ AMOR OU SERÁ PAIXÃO?

 Há uma necessidade de vinculação entre os seres. Essa vinculação é importante, especialmente no cuidado com as crias. Observamos esse comportamento em mamíferos de modo geral.
Na espécie humana, essa vinculação entre macho e fêmea, tem um alto investimento parental com os filhos e que inicia no período da paquera. Esse comportamento de paquera, é resultado da evolução do ritual de cortejamento muito complexo.
A fase do namoro, auxilia os seres humanos a selecionarem melhor seus parceiros, já que é o momento de um conhecer o outro. Seduzir e conquistar, são habilidades essenciais nesse processo.
Sendo assim, o que é paquerar?
Paquerar é uma etapa inicial de um relacionamento que, biologicamente falando, tem como objetivo o acasalamento - o ato sexual em si.
Nesta etapa de paquera, as pessoas avaliam melhor os parceiros e testam em diferentes situações os mesmos. Esse ritual de paquerar, de conhecer e conquistar o parceiro, tende a propiciar condições efetivas para que o casal permaneça um período maior junto para cuidar dos filhos.
O flerte e o namoro, têm a função de favorecer a escolha do parceiro e fazem parte do comportamento sexual.
A seleção sexual é a busca por parceiros, tidos como ideais, para atingir sucesso no acasalamento. O investimento dos homens e das mulheres na prole são diferentes.
Nos machos, a seleção sexual é feita através da competição para ter acesso à fêmea, com um maior número de características de saúde e fertilidade. O macho, busca essas características que serão passadas para os filhos, por haver uma probabilidade dos filhos nascerem saudáveis.
Já as fêmeas, são muito mais criteriosas ao escolher o macho para acasalar. As mulheres geram o filho por nove meses, amamentam e cuidam do filho por longos períodos. Portanto, levando em conta os critérios do processo reprodutivo, a mulher torna-se mais valiosa, pois os custos com os cuidados com o filho são maiores.
As mulheres, comumente, escolhem os machos mais fortes e que demonstram ter mais recursos necessários à sobrevivência. Portanto, o poder de escolha é das mulheres.
Geralmente, homens e mulheres não têm consciência da ocorrência desse processo.
E o amor e a paixão, onde entram nesse processo? O que difere o amor da paixão?
Do ponto de vista neurológico, há alguns neurotransmissores envolvidos no amor e na paixão.
Na paixão, há uma explosão na produção da dopamina; e no amor, ocorre uma produção de oxitocina e vasopressina.
A paixão ocorre com mais intensidade em algumas pessoas, em outras se dá de modo mais moderado.
Quando o indivíduo está apaixonado, é liberada com maior intensidade pelo organismo a dopamina, que é um hormônio responsável pelo prazer. A dopamina, também gera no sujeito uma expectativa de que as coisas vão dar certo. Sendo assim, por mais que a relação amorosa esteja conflituosa, os envolvidos têm a sensação, muitas vezes a certeza, que tudo vai melhorar, que tudo vai ficar bem.
O prazer da paixão ativa, principalmente o Sistema Límbico, área responsável pelas emoções, comportamento sexual e funções reprodutivas. Os aspectos reprodutivos são importantes para a sobrevivência e perpetuação da espécie.
A dopamina, produz um efeito de euforia e de prazer imediato. Por conta desse efeito, as pessoas apaixonadas emitem um comportamento de impulsividade e de irracionalidade. Elas são capazes de fazer loucuras pela pessoa que está apaixonada, indo à extremos como deixar emprego, romper com a família e afastar-se das relações de amizade. Elas passam a viver exclusivamente para o outro, pensam apenas em aproveitar as emoções do momento presente, sem nenhum planejamento futuro. Os relacionamentos pautados na paixão, geralmente têm um período curto, entre dois a três anos no máximo.
Com o amor, entram em cena os hormônios chamados de oxitocina na mulher, e vasopressina no homem.
A oxitocina é liberada, principalmente, quando a mulher está amamentando o filho e também na relação com o homem que ama, possibilitando uma exclusividade nessa relação.
No homem, o hormônio que vai fazer com que ele se vincule de maneira mais exclusiva à uma mulher, é a vasopressina.
O efeito da oxitocina e da vasopressina, reconhecidos como hormônios do amor, dão uma sensação de serenidade.
Na paixão, ocorre um efeito de excitação, e no amor uma sensação de calmaria.
Nando Cordel - cantor e compositor, retrata o fogo intenso da paixão e a tranquilidade do amor nas seguintes canções.
Na música “Gostoso demais”, o amor é retratado assim:
É tão difícil ficar sem você.
O teu amor é gostoso demais.
Teu cheiro me dá prazer.
Quando estou com você, estou nos braços da paz.
Na música “Doido pra te amar”, ele exalta assim a paixão.
Eu nem pensei, já estava te amando
Meu corpo derretia de paixão
Queria estar contigo todo instante
Te abraçando, te beijando
Te afogando de emoção
Diferentemente da paixão, o amor requer um planejamento maior, é um processo de construção de vida, envolvendo um direcionamento para ter filhos. O amor se desenvolveu na espécie humana, com o objetivo dos pais cuidarem e protegerem os filhos.
No início da relação amorosa, a dopamina está presente. Esse elemento dopaminérgico, após dois a três anos cessa. A partir desse momento, se o casal continuar vinculado, gostando um do outro, já não é mais paixão, é amor.
A paixão vai se transformando em amor, um sentimento mais profundo, que evoca responsabilidade e cuidado um com o outro. Mais que isso, a presença do amor, demonstra que o casal utiliza de estratégias de reforçamento, o que possibilita a secreção e a liberação da oxitocina e da vasopressina e têm como consequência que o casal permaneça junto por um período longo.
Quase sempre, as pessoas gostam de seduzir, de conquistar e de se apaixonar, pois o prazer é intenso e imediato, porém a tendência é que a relação seja breve.
O amor requer trabalho e esforço, além de um planejamento de vida, uma perspectiva de futuro. Desse modo, a relação é mais duradoura.
Compreendemos que o amor por si só não se mantém, o amor é um processo de construção.
Na manutenção do amor, é imprescindível a presença de contingências especiais de reforçamento entre o casal. Os ajustes são necessários para um relacionamento sólido, harmonioso e duradouro.

O site Todo Segundo não se responsabiliza pelos conteúdos publicados nos blogs dos seus colaboradores.
1 Comentário
Os comentários abaixo são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Todo Segundo ou de seus colaboradores.

Utilize o formulário abaixo para comentar.

Ainda restam caracteres a serem digitados.
*Marque Não sou um robô para enviar.

Compartilhe nas redes sociais:

Utilize o formulário abaixo para enviar ao amigo.